leia mais...

POEZINE-SE II

Neste segundo volume, o Poezine-se tem a honra de trazer os textos da uberabense e poetisa Jamila Costa. 

sábado, 3 de novembro de 2012

PARA LER E PENSAR

 

                                                             OS ERROS DO CAPITAL: Guerras

"O Capitalismo se regenera a cada guerra existente. Para a manutenção deste sistema, é estritamente necessário que muitas pessoas [que não comandam o jogo, é claro] morram em guerras e mais guerras, cada uma justificada por um motivo específico.

Por que? Porque guerras geram lucro muito alto em pouco tempo, duas coisas que são o sonho maior do capitalismo. A máxima "tempo é dinheiro" explica essa necessidade de lucro máximo e imediato, a qualquer custo. Neste caso, as indústrias de armamento bélico lucram com a produção e venda em larga escala, a mídia lucra com um sensacionalismo evidente, o Estado lucra com o colonialismo, com a restruturação de fronteiras, com a apropriação de riquezas, etc...
Os métodos e armas evoluíram, mas as guerras existem desde o início da civilização, nos primeiros povos babilônicos e continua existindo no moderno século XXI justamente porque são de extrema utilidade.
Como já dizia o filósofo: "SÓ OS MORTOS VIRAM O FIM DA GUERRA", porque essa prática é interminável.

Entendendo isso, a sociedade capitalista pós revolução industrial usa de artifícios um tanto quanto antigos para manter a guerra ocorrendo sem que ninguém desconfie de que ela é inútil, cruel e sem sentido.

Para convencer a população ao alistamento militar e fazer com que os militares sintam orgulho de lutar, cria-se em suas cabeças uma imaginária diferença entre eles e as pessoas a quem devem matar, convencendo-os de que eles são superiores e os futuros cadáveres não merecem a vida. Além disso, condecora-se com inúteis títulos e medalhas quem honrar sua pátria perante o "inimigo", estimulando ainda mais a morte.

Se alimentar de mortes é algo cruel que o capitalismo exerce, sobretudo, em relação a países desenvolvidos que justificam suas guerras contra países mais pobres, extorque suas escassas riquezas, mata seus conterrâneos e apropria-se de suas terras, colonizando a população restante, simulando que isso é necessário".
 
*retirado de: Boicote o Capitalismo