leia mais...

POEZINE-SE II

Neste segundo volume, o Poezine-se tem a honra de trazer os textos da uberabense e poetisa Jamila Costa. 

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

#RECOMENDO: Slow Fashion - moda pelo respeito

Se navegar é preciso, desbravar a internet é essencial! 
Enquanto pesquisava dicas para customização de roupas, encontrei um link de um texto sobre algo que me chamou atenção no mesmo instante: "Slow Fashion: moda pelo respeito". Há vários meses atrás postei um texto sobre duvidoso comportamento da moda fast fashion, e agora gostaria de compartilhar este texto que encontrei. Confesso que não sabia da existencia dessa designação. Achei super válida e justa! Merece ser compartilhado!!

"A vida moderna tem sua própria velocidade. Assim como o consumo de alimentos e energia, a indústria têxtil também extrai com grandes colheradas os recusos naturais. Pensando na antítese desta situação, o Slow Fashion, ou moda lenta, tem a intenção de atender os consumidores de moda com maior consciência ética e respeito com o meio ambiente.

Sazonalidade x Atemporalidade
As condições do mercado da moda são facilmente entendidas: estações. As modas sazonais alimentam um consumo desenfreado, por parte de um grande número de pessoas, de um vestuário descartável e efêmero.
A produção que é confeccionada em pequeno número para consumidores mais abastados, é rapidamente reproduzida em larga escala para as grandes massas populacionais. Como papel, as roupas se desfazem a cada final de coleção que, depois de consumida, mal bem é digerida, já irá para o lixo. Os grandes recursos injetados acabam por se tornarem ultrapassados com a chegada de ‘novas necessidades’ através de novas tendências.
O Slow Fashion é como buscar uma nova ótica sobre essas “necessidades”. Reestruturar o objetivo da moda e receber essas mudanças de estilos sazonais de maneira responsável, ponderando o contexto sócio-ambiental e subsidiando a ética com o consumidor.

Elegância x Extravagância
O conceito de Slow Fashion ganha espaço passo a passo. Prova de que é fácil aliar moda e consumo consciente é a designer de roupas Zoica Matei, que aplica diretamente em suas peças elegantemente sustentáveis essa, que não parece ser apenas mais uma nova tendência.
Ela acredita em uma moda socialmente responsável e desacelerada, construída para durar e suplantar a "regra da sazonalidade". Sua linha foi criada com materiais eco-friendly , não usa procedimentos de lavagem e tingimento (que normalmente são abrasivos para o meio ambiente) e segue o Fair Trade principles, ou princípios do Comércio Justo.
Suas peças ética e organicamente criadas ganham uma versatilidade que ultrapassa as tendências sazonais e buscam atemporalidade no consumo equilibrado e consciente.O desafio lançado pela estilista é o retorno ao verdadeiro estilo individual, não apenas uma participação figurante no grande mercado da moda.
As peças autênticas, originais e com um desenvolvimento respeitoso têm atraído cada vez mais público. Não cabe a roupa ou acessório apenas esbanjar uma beleza e estrutura condizente com a vida contemporânea, é preciso "dizer alguma coisa", trazer uma positiva mensagem para quem a usa.
Qualidade e longevidade devem ser características que não só os fornecedores e estilistas devem passar em suas criações, mas que os consumidores também devem adotar na hora da escolha. Procurar informações sobre a origem do produto torna-se fundamental. A responsabilidade sócio-ambiental deve sempre estar atrelada as produções e quem compra torna-se responsável pela realidade por trás do bem consumido".

O texto foi retirado da página: http://www.ecodesenvolvimento.org >> clique para acessar