leia mais...

POEZINE-SE II

Neste segundo volume, o Poezine-se tem a honra de trazer os textos da uberabense e poetisa Jamila Costa. 

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

10ABAFOS


Sou mato.
Mato seco e pisado.
Sou mundo.
Mundo ignorado e lento.
Sou tudo de pouco e nada de muito.
Sou denso, profundo.
Quando chove emudeço, sou o barulho dos trovões.
Perdido nas multidões, sou o silêncio.
Sou o cadarço desamarrado, o lenço.
Um pouco do dia e quase nada da noite.
Sou as horas e as lágrimas, sou as metáforas, as risadas.
Sou o que la fora esteve, que foi e sempre voltou. 
Quem sabe sou o fim ou um doce recomeço.
Sou o que se lembrava, mas hoje eu só me esqueço.

Lucas Vieira