leia mais...

POEZINE-SE II

Neste segundo volume, o Poezine-se tem a honra de trazer os textos da uberabense e poetisa Jamila Costa. 

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

O que não coube no caderno.




Dê-me amor... ou ao menos diga que sente o mesmo...
Talvez um dia eu deixe você ir, ou quem sabe você já se foi... 
Talvez esta noite eu te ligue, e diga coisas que não coube em meu caderno. Dê me um tempo ao menos para eu dizer o que se passa, não muito, pouco.
Podemos fingir que está tudo bem, e você me dá amor... como ela.
"- Não. Só quero te abraçar."
Tudo o que eu realmente quero é sentir o que seus lábios me permitem sentir... que eles possam ir além de simples toque, de simples gosto... em minha boca.

Quando o sono escorre insistente pela pia, e você se olha no espelho e já não se questiona mais nada.
Quando toca aquela velha canção e você já não sabe onde se apegar, ou a que remetê-la... já que nada é como costumava ser, ou como você achava que costumava ser.
Quando você coloca uma música para tocar e quando olha para a tv ela está tocando.

Quando tudo é apenas o que não coube no caderno...