leia mais...

POEZINE-SE II

Neste segundo volume, o Poezine-se tem a honra de trazer os textos da uberabense e poetisa Jamila Costa. 

quinta-feira, 1 de maio de 2014

ANDOVENDO DOCUMENTÁRIO: A REPÚBLICA CANÁBICA DO URUGUAI


No final de 2013, o Uruguai decidiu inovar e arriscar uma nova abordagem a cerca da maconha, uma droga não tão polêmica e prejudicial quanto a mística negativa e infundada que foi criada ao seu respeito durante esses 100 anos de guerra.

A única certeza que todas as pessoas têm, sejam elas contra ou a favor, é que a atual maneira de lidar com o "problema", importada dos EUA e espalhada pelo mundo, não é efetiva e custa muito aos cofres públicos. 



O modelo proposto pelo progressista presidente do nosso vizinho sulista é peculiar pois estabelece ao Estado a missão de produzir e distribuir a erva, o que não acontece em outros países onde ela também é ou está sendo legalizada, na maioria deles o governo apenas regulamentou o mercado e deixou aberto à iniciativa privada, criando um setor econômico milionário.

Neste documentário produzido pelo canal de mídia global VICE, eles procuraram esclarecer um pouco como funcionará o programa uruguaio e a opinião das diversas partes envolvidas, dentre elas a do próprio presidente.

Por ser algo totalmente novo, é perceptível a existência de diversas dúvidas e temores a respeito da legislação, que só serão esclarecidas a medida que ela for implementada e entrar em vigor. Muitas adaptações deverão ser feitas ao longo do tempo para se adequar à realidade dos consumidores.

O tema foi transformado em algo tão complexo que um debate consciente e coerente nos dias atuais ainda parece meio difícil de alcançar um consenso. A grande verdade é que as drogas estão aí, não conseguiram e nem conseguirão erradicá-las do planeta, está enraizada na nossa cultura desde o começo dos tempos, então a questão a ser discutida não é como acabar com elas, mas quem deve controlá-las (o crime, o governo criminoso, o povo) e se devem realmente ser controladas.

Enquanto isso, só nos resta acompanhar a experiência do Uruguai e torcer para que funcione e inspire os governantes brasileiros.