leia mais...

POEZINE-SE II

Neste segundo volume, o Poezine-se tem a honra de trazer os textos da uberabense e poetisa Jamila Costa. 

sábado, 17 de outubro de 2015

EXPOSIÇÃO COMCIENCIA DE PATRICIA PICCININI NO BRASIL


Patricia Piccinini, desenhista por formação, a artista, que nasceu em 1965 em Serra Leoa, mas vive na Austrália desde 1972, executa suas obras com a ajuda de um time de profissionais. "Trabalho com iluminadores, maquiadores, pessoas da indústria do cinema que conseguem traduzir os meus desenhos, que nascem da minha imaginação, para formas tridimensionais", destaca Patricia, que também cria - e exibe em ComCiência - fotografias e filmes.

"A questão emocional é fundamental na minha obra porque é através da emoção que nos engajamos em algo", explica Patricia. "Hoje em dia é muito difícil chamar a atenção das pessoas", diz a australiana sobre o conforto que sente com o caráter espetacular de suas obras. "Eu poderia fazer um trabalho entediante para provar quão intelectual eu sou, mas não é esse o meu objetivo. Quero me conectar com as pessoas. Sou inclusiva e o mundo da arte é o oposto."


"A genética é uma aposta no escuro e Patricia fala muito sobre uma ética flexível", define Marcello Dantas, curador da exposição, primeira individual da criadora no País. Suas Metafloras (2015), por exemplo, assemelham-se a flores de pele e pelos.



"A evolução é uma história de extinções", diz a artista Patricia Piccinini



“Sou interessada em descobrir o sentido do que é ser humano no âmbito da engenharia genética e da biotecnologia, e como essas tecnologias influenciam a maneira como nos relacionamos com o mundo. O mundo que crio existe em algum lugar entre o que conhecemos e o que está quase sobre nós (a imaginação, ou o futuro). Minhas criaturas, apesar de estranhas e por vezes inquietantes, não são assustadoras. Em vez disso, é a sua vulnerabilidade que muitas vezes vem à tona. Elas pedem que as olhemos além de sua estranheza, nos convidando a aceitá-las. Somos cercados por modificações genéticas escondidas em nossos alimentos e animais, sem ao menos dar conta! Eu não induzo o visitante a pensar qualquer coisa sobre engenharia genética, mas pergunto como eles se sentem frente a essas possibilidades. Trabalho com uma variedade de materiais e linguagens, de esculturas feitas de silicone e fibra de vidro a fotografia e vídeo, passando pelo desenho e a pintura”, resume a artista.

Para saber mais: